COMPORTAMENTO – Hip-Hop chique.

Fonte: ISTOÉ

Com capacidade de influenciar multidões, os rappers se tornam aliados das grifes de luxo

OURO PURO Jay-Z (à esq.) promoveu as vendas de uma marca de champanhe caríssima.

O champanhe Armand de Brignac, conhecido como Ás de Copas, é um dos espumantes mais badalados da atualidade. Está presente nas festas promovidas por celebridades do quilate de Kate Holmes e Tom Cruise, esgotou nas prateleiras em 2007 e 2008 e, só no ano passado, foi vendido para 30 países – deve chegar ao Brasil no fim do ano. Tamanho sucesso se deu numa carreira curta, pois o Ás de Copas só entrou em cena há cerca de três anos. E por causa de uma relação mal resolvida. Explica-se: o rapper americano Jay-Z, marido da curvilínea cantora Beyoncé Knowles, era fã do exclusivo champanhe Cristal, um dos mais caros do mundo. Reservava à bebida seus melhores brindes, estourava garrafas em videoclipes e chegou a se referir a ela numa de suas canções. Em 2006, no entanto, promoveu um boicote à marca depois que um executivo da Cristal insinuou preferir que a grife não tivesse sua imagem associada ao hip-hop. Foi aí que nasceu a parceria com o Armand de Brignac, do tipo prestige curvée (selo de qualidade máxima), até então totalmente desconhecido.

Em novembro de 2006, Jay-Z apresentou em seu videoclipe Show me what you got a bebida Armand de Brignac numa garrafa no melhor estilo bling – termo usado pelos rappers para se referir a acessórios chamativos e brilhantes. Dourada, a embalagem trazia um exagerado logo de ás de copas. Daí para a conquista do mercado foi um pulo. Mas vale ressaltar que apreciar a bebida do momento é para poucos, pois um exemplar não sai por menos de US$ 300 (R$ 631). “Jay-Z foi um grande entusiasta da marca e nos fez um tremendo favor”, disse Scott Cohen, diretor de marketing da Armand.

Não foi, no entanto, a primeira vez que uma estrela americana do hip-hop alavancou as vendas de uma grife de luxo. O fenômeno vem sendo observado de perto nos últimos cinco anos e já tem nome: ghetto fabulous (gueto fantástico). Nele, artistas do universo rapper, como Kanye West, Ja Rule e Diddy, têm gosto refinado, valorizam a ostentação e compartilham a capacidade de atrair novos clientes para marcas caras de roupas, acessórios, bebidas e carros. Em 1998, Diddy foi o primeiro americano a adquirir um automóvel Bentley Azure 1999, por US$ 375 mil (R$ 788 mil). Exibido, desfilou o carrão em seus videoclipes. E não demorou muito para que seus parceiros do rap se tornassem os responsáveis por 15% das vendas do veículo nos Estados Unidos.

STREET FINO O rapper Kanye West (à esq.) e o estilista Marc Jacobs: parceria na Louis Vuitton.
Em princípio, na união do universo do luxo com o “gueto fantástico” todos se dão bem – as grifes, porque vendem muito mais, e os artistas, porque têm seus nomes associados a um mundo de riqueza e glamour. Mas nem sempre essa parceria é consensual. Muitas empresas, tal como a de champanhes Cristal, temem ligar sua marca ao movimento em troca de retorno financeiro. Muitas delas se preocupam em ficar tachadas de “a grife dos rappers”. Foi o caso da britânica Burberry, num episódio com Ja Rule. Há alguns anos, a grife se recusou a ceder roupas para que o artista as usasse em um editorial, afirmando não ter interesse em associar sua imagem à dele. Mas o músico não se abalou: comprou as peças e as exibiu na revista americana Esquire. Algum tempo depois, a própria Burberry passou a presentear o rapper com criações exclusivas.

A Louis Vuitton, ao contrário, usa os ventos consumistas do hiphop a seu favor. Apoia a utilização de seus produtos entre os artistas e vai além. Em 2006, convidou Pharrell Williams para assinar uma linha de óculos de sol e joias. E, atualmente, tem a colaboração criativa de Kanye West numa coleção de tênis. “A Louis Vuitton sempre esteve sintonizada com o momento, manifestando sua modernidade por meio de colaborações com os maiores talentos de cada geração”, disse Pietro Beccari, vice-presidente de marketing da grife, na época do lançamento. Mas engana-se quem pensa que a influência desses artistas começou recentemente. O primeiro a notar o potencial street do hip-hop e se inspirar na linguagem do movimento foi o estilista Karl Lagerfeld, diretor criativo da Chanel. Em 1991, suas modelos subiram na passarela usando correntes de ouro e maxipingentes com o logo da grife francesa. O sucesso foi tanto que as joias se tornaram um clássico. No melhor estilo bling.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s